Seja bem-vindo. Hoje é

sábado, 30 de maio de 2009

Ivry Gitlis

Ivry Gitlis

Was born on August 22, 1922, in Haifa, Israel,
to Russian parents. He received his first violin at the age of five and gave his first concert at age ten. When violinist Bronislav Huberman heard him play, he sent him to study at the Conservatoire de Paris, where he won a first prize at age 13. After graduation, he studied with George Enesco and Jacques Thibaud, among others.

In 1939, he went to England, and when World War II broke out, he worked in a British munitions factory and later in the entertainment unit of the British army.

In 1951, he made his debut in Paris; he has gone on to give concerts all over the world. He has played with the most prestigious orchestras, including the New York Philharmonic, Berlin Philharmonic, Vienna Philharmonic, Philadelphia Philharmonic, and Israel Philharmonic.

Ivry Gitlis is considered one of the most talented musicians of his generation, and many of his recordings are considered classics. His first recording, "Le Concerto à La mémoire d'un ange," by Alban Berg, won the Grand Prix du Disque (Grand Record Prize) in France. Bruno Maderna wrote "Piece for Ivry" for him, and in 1972, Ivry Gitlis premiered "Mikka" by Xenakis.

Ivry Gitlis: Kreisler's Schon Rosmarin.

Ivry Gitlis: Elgar - La capricieuse, Op.17

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Uma cronica de meu amigo, Fernando Campanella.MG.

(Fotografia de Antônio Carlos Januário - MG)

As tardes de outono propiciam crepúsculos inigualáveis. Embora os atores – nosso velho, vaidoso sol, as frívolas nuvens, o ar, o imponderável vento... – sejam sempre os mesmos em outros períodos do ano, é nesses dias que precedem o inverno que os espetáculos do fim da tarde rendem maior vibração em luz, forma, cor e tom.

Os crepúsculos outonais lembram algo como o capricho de um demiurgo a brincar com infinitas possibilidades na reorganização de toda matéria pré-existente. Uma arte de tamanha grandeza, de tão poderoso efeito ,onde o criador, o sujeito, se esquece e se confunde com o objeto da própria criação.

Assim, em escala menor, com todos artistas que, movidos por um impulso interno, reestruturam o que vivem, o que recebem, neste insondável processo mágico que denominamos ‘criar’.

Assim, com a poetisa Emily Dickinson que, tocada pelos fenômenos naturais de Amherst, reestruturou as impressões, as emoções internas, rendendo este maravilhoso crepúsculo-poema:

Ela varre com vassouras multicores
E sai espalhando fiapos,
Ó Dona arrumadeira do crepúsculo,
Volta atrás e espana os lagos:

Deixaste cair novelo de púrpura,
E acolá um fio de âmbar,
Agora, vejam, alastras todo o leste
Com estes trapos de esmeralda!

Inda a brandir vassouras coloridas,
Inda a esvoaçar aventais,
Até que as piaçabas viram estrelas —
E eu me vou, não olho mais.

She sweeps with many-colored Brooms —
And leaves the Shreds behind —
Oh Housewife in the Evening West —
Come back, and dust the Pond!

You dropped a Purple Ravelling in —
You dropped an Amber thread —
And how you've littered all the East
With duds of Emerald!

And still, she plies her spotted Brooms,
And still the Aprons fly,
Till Brooms fade softly into stars —
And then I come away —


quinta-feira, 21 de maio de 2009



Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória.
Todo mundo quer aprender a falar, ninguém quer aprender a ouvir.
Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular.

Escutar é complicado e sutil.
Diz Alberto Caeiro que "não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma".

Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Para se ver, é preciso que a cabeça esteja vazia.

Parafraseio o Alberto Caeiro:
"Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito; é preciso também que haja silêncio dentro da alma".
Fernando Pessoa conhecia a experiência, e se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras, no lugar onde não há palavras.

A música acontece no silêncio. A alma é uma catedral submersa. No fundo do mar - quem faz mergulho sabe - a boca fica fechada. Somos todos olhos e ouvidos. Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia, que de tão linda nos faz chorar.

Para mim, Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também.

Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.

Rubem Alves,
in "Escutatória"

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Nathan Milstein

Nathan Milstein plays Massenet, 'Meditation'.

Nathan Milstein

Nathan Mironovich Milstein

was born on the 31st of December 1903 in Odessa as son of the merchant Miron Milstein. Out of his two sisters and four brothers, Milstein mentioned his sister Sara, who played the piano.
He got his first musical impressions through his mother Marija, who took Nathan to a concert of Jascha Heifetz, in 1911 already a famous violinist and "Wunderkind".
He is widely considered one of the finest violinists of the 20th century, well known for his interpretations of Bach's solo violin works, and for works from the Romantic period. He was also known for his long career: he performed at a high level of excellence in public into his mid-80s, only to retire after suffering a broken hand.

Milstein started violin studies with the eminent violin pedagogue Piotr Stolyarsky. Among Milstein's other teachers were two celebrated violinists, Leopold Auer in St. Petersburg and Eugène Ysaÿe in Belgium. He told film-maker Christopher Nupen, director of Nathan Milstein - A Portrait, that he learned almost nothing from Ysaÿe but enjoyed his company enormously. In a 1977 interview printed in High Fidelity, he said, "I went to Ysaÿe in 1926 but he never paid any attention to me. I think it might have been better this way. I had to think for myself." He was obsessed with articulating each note perfectly and would often spend long periods of time working out fingerings which would make passages sound more articulated.

Milstein may in fact have been the last of the great Russian violinists to have had personal contact with Auer. Auer did not name Milstein in his memoirs but mentions "two boys from Odessa ... both of whom disappeared after I left St. Petersburg in June 1917." Neither is Milstein's name in the registry of the St Petersburg Conservatory.

When Auer went to Norway in 1917, Milstein went back to Odessa. He met Vladimir Horowitz and his pianist sister Regina in 1921 when he played a recital in Kiev. They invited him for tea at their parents' home. Milstein later said, "I came for tea and stayed three years." Milstein and Horowitz performed together, as "children of the revolution," throughout the Soviet Union and struck up a life-long friendship. In 1925, they went on a concert tour of Western Europe together.

Milstein made his American debut in 1929 with Leopold Stokowski and the Philadelphia Orchestra. He eventually settled in New York and became an American citizen. He continuted to tour repeatedly throughout Europe, maintaining residences in London and Paris.

A transcriber and composer, Milstein arranged many works for violin and writing his own cadenzas for many concertos. One of his best known compositions is Paganiniana, a set of variations on various themes from the works of Niccolò Paganini.

In 1948, his recording of Mendelssohn's Violin Concerto in E minor, with Bruno Walter conducting the New York Philharmonic, had the distinction of being the first catalogue item in Columbia's newly introduced long-playing twelve-inch 33.333 rpm vinyl records, Columbia ML 4001.

He received a Grammy Award in 1975 for his recording of Bach's Sonatas and Partitas, and was awarded the Legion of Honour by France in 1968. He was also awarded Kennedy Center honors by President Ronald Reagan.

A recital he gave in Stockholm in July 1986 proved to be his final performance. An accident shortly afterwards ended his career.

For most of his career he performed on the "Milstein(Maria Teresa), Goldman" Stradivarius of 1716 and for a short period the "Dancla" Stradivarius of 1710.

During the late 1980s, Milstein published his memoirs, From Russia to the West, in which he discussed his life of constant performance and socializing. Milstein discusses the personalities of important composers such as Alexander Glazunov, Sergei Prokofiev, Sergei Rachmaninoff and Igor Stravinsky and conductors such as Arturo Toscanini and Leopold Stokowski, all of whom he knew personally. He also discusses his best friends, pianist Vladimir Horowitz, cellist Gregor Piatigorsky and ballet director George Balanchine, as well as other violinists such as Fritz Kreisler and David Oistrakh. Milstein also expressed his generally right-wing, strongly anti-communist and anti-Soviet political beliefs. Milstein said that President Kennedy was a weak leader, admired President Reagan, and stated that he refused to return to the Soviet Union, even for a tour sponsored by the United States.

Milstein was married twice, remaining married to his second wife, Therese, until his death.
He died in London ten days before his 89th birthday

Fotografias que me encantam!

domingo, 3 de maio de 2009

Leonardo da Vinci - Citações

Todo o nosso conhecimento tem princípio nos sentimentos.

Leonardo Da Vinci

Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa,nunca tem medo e nunca se arrepende.

Leonardo da Vinci

Casamento é como enfiar a mão num saco de serpentes na esperança de apanhar uma enguia.

Leonardo da Vinci

"Prazer e Dor são representados com os traços gêmeos, formando como que uma unidade, pois um não vem nunca sem o outro; e se colocam um de costas para o outro porque se opõem um ao outro."

Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci nasceu no pequeno vilarejo de Vinci, nas proximidades de Florença, em 1452. Autor de Monalisa, um dos quadros mais famosos da história, Leonardo era filho ilegítimo de um tabelião. Ele não teve educação formal e sabia pouco ou nenhum latim, condição que o enchia de um certo ressentimento em relação aos colegas mais ilustrados.

Adulto, foi uma personalidade polêmica no seu modo de vestir e no comportamento chegou a ser denunciado por prática de sodomia, mas não foi condenado. Supõe-se que ele tenha sido homossexual, mas sua intimidade permanece misteriosa.

Adolescente, foi aprendiz no ateliê de Verrocchio. Conta-se que certa vez, o mestre estava pintando um quadro sobre o batismo de Jesus Cristo e encarregou o jovem Leonardo de completar a composição com a figura de um anjo. Seu aluno fez um anjo tão perfeito que Verrocchio desistiu de pintar.

Conta-se também que Leonardo tocava, para distrair seu modelo, música composta por ele em instrumentos inventados por ele. O certo é que a Monalisa del Giocondo se tornou o quadro mais célebre da pintura ocidental. Hoje está no Louvre, como principal atração turística, numa sala em que um Rafael e um Correggio passam despercebidos.

Em 1503, Francesco del Giocondo, um rico florentino, encomendou a Leonardo - e pagou-lhe muito bem por isso - um retrato de sua mulher, Monalisa. Quatro anos depois o quadro não está pronto. Aqui começa o grande debate: quem é a dama do quadro? A mulher de Giocondo? É este o retrato de uma jovem de 26 anos? Ou é o retrato de Constança d'Avalos, Duquesa de Francavilla, "inclusive com o véu negro de viúva?" Há quem afirme - e a sério - que o encantador sorriso é de um jovem, travestido.

O grande mote do trabalho de Leonardo, quer como artista, quer como inventor e cientista, foi a observação criteriosa da natureza. Seus cadernos são um imenso laboratório de pensamento. Nas notas, estudos e rascunhos dedicados à hidráulica, ao vôo dos pássaros, ao movimento dos gatos, encontra-se um acurado explorador da natureza.

Sua inteligência mecânica ainda hoje impressiona todos os que examinam seus desenhos de engrenagens. A comparação de imagens obtidas nos modernos aparelhos de tomografia computadorizada com seus desenhos sobre anatomia oferece uma espécie de revelação: Leonardo acertou com exatidão espantosa, por exemplo, detalhes sobre a posição do feto no interior do útero.

Embora tivesse uma assombrosa habilidade matemática, diz-se que Leonardo não criou algo que se pudesse chamar de "teorema de Leonardo". Ou seja, apesar de ter desvendado princípios que até então eram desconhecidos, ele não os traduziu em linguagem matemática. É verdade. Essa viria a ser mais tarde uma obsessão dos estudiosos.

Doente, da Vinci passa o mês de abril de 1519 na cama, cercado por três quadros: a Monalisa del Giocondo; Santana, a Virgem e o Menino e o São João Batista, que provavelmente pintou em Roma como sua última obra.

Morre, no dia 2 de maio de 1519, nos braços do rei FranciscoI

A Monalisa,(La Gioconda)(1503-1507) sua obra mais famosa.
(Óleo sobre madeira de álamo, exposta no museu do Louvre- Paris)

sábado, 2 de maio de 2009

Cacilda Becker

Cacilda Becker

Atriz de teatro paulista (1921-1969).
Considerada uma das personalidades mais importantes da classe teatral brasileira e líder da categoria na primeira fase do Regime Militar de 1964.
Cacilda Becker Yáconis nasce em Pirassununga (São Paulo) e inicia em 1940, no Teatro do Estudante do Brasil, uma carreira que dura 29 anos.
Em 1948, ingressa no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Em pouco tempo se torna a primeira atriz da companhia.
Entre os principais trabalhos dessa fase estão Seis Personagens à Procura de um Autor, de Luigi Pirandello, e Antígona, de Sófocles.
No cinema trabalha em A Luz dos Meus Olhos (1947) e Floradas na Serra (1954).
Em 1958 funda sua própria companhia, ao lado dos atores Walmor Chagas, seu marido, e Ziembinski.
Encena peças como Longa Jornada Noite Adentro, de Eugene O'Neill, e A Visita da Velha Senhora, de Durrenmatt.
Preside em 1968 a Comissão Estadual de Teatro, em São Paulo.
Em 6 de maio de 1969, durante a apresentação de Esperando Godot, de Samuel Beckett sofre um derrame cerebral em conseqüência do rompimento de um aneurisma.
Morre depois de 38 dias em coma.

Fonte: site e-biografias